domingo, 17 de junho de 2012

O mundo está perdido #2


Aqui está o Guia Turístico da Invicta:






Pois que me parece que alguém usou a sua liberdade de expressão. Nada contra. O mais interessante é saber que, se passarmos frente àquele edifício, na bela cidade do Porto, não está lá escrito coisíssima nenhuma. Ou seja, o brincalhão foi aquele que criou o guia e que, com a sua montagem, quis, descaradamente, gozar com a cara do Presidente da Câmara. Livre e corajoso, diria eu. 
Mas, atenção, o melhor ainda está para vir. E é a explicação dada  por Manuel Leitão, director da publicação. Diz ele: "Que eu saiba, "rio" é um substantivo próprio que significa um curso de água e o resto são três iniciais, um verbo e um artigo." Gostei da mini aula de gramática da língua portuguesa. Não me trouxe propriamente as melhores recordações, é certo, mas isso são outros quinhentos. Parece-me, no entanto, que o senhor cometeu um pequeno erro. Que eu saiba, a palavra "rio", como curso de água, é um "substantivo comum" e não um "substantivo próprio". Agora a palavra "Rio", remetendo para Rui Rio - ou para o Rio de Janeiro (isso já é com ele) - é que é um "substantivo próprio". Será que, sem dar por isso, lhe fugiu a boca para a verdade?
Agora, as três iniciais, essas, podem, de facto, querer dizer muita coisa. Eu aposto em "fogo de palha" e vocês?

4 comentários:

  1. Eu não acho. Um gajo que já lá está há tanto tempo, não pode ser fogo de palha. Não sei é se tem rabos de palha.
    Vou mais por Rio é o Fim da Picada.
    Por falar em palha, vou ao pequeno almoço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, se o senhor tem rabo-de-palha, isso não sei. Mas é bem provável, basta estar metido na política... Agora, a tua aposta também é possível, sim :)

      Eliminar
  2. desconhecia esta publicação mas muito me agradou. ainda assim, eu vou mais por "finíssimo dirigente político"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Proposta muito interessante e deveras imaginativa ;)

      Eliminar