sexta-feira, 7 de maio de 2021

alLITérations, assoN(U)ancEs et HOMonyMEs

 

Dans mon lit,

où je lis

ce que tantôt,

au temps du renouveau,

tu m'as écrit,

c 'est mon ombre, 

si sombre,

qui sombre 

jusqu'au bout 

du monde

- invocons les bonnes ondes -

juste pour toucher

ta bouche

nue.

Tout chez

toi me manque,

même tes mensonges

que je ne songe

oublier

ne serait-se

qu'une seconde.

Comme la caresse

d'un amour

abandonné

à son âme ou 

ses pensées;

qui sort de ses gonds,

puis, changeant la donne,

tout doucement,

 se laisse amadouer.

Douée en amour,

la laisse du dévouement

au cou,

à toi, 

mon toit,

je me donne.

Viens, 

mon tout,

mon rien,

mon homme,

on se pardonne;

enfin.

sexta-feira, 30 de abril de 2021

Há uma primeira vez para [quase] tudo

Elogiaram-me os dentes.

Nunca, antes, o tinham feito.

Ou, então, não me lembro de, algum dia, ter tido essa sorte. 



Elogiaram-me os dentes e a forma como são emoldurados pelos meus lábios.

Foi assim. Acho*.

Não tenho uma total certeza do que acabo de escrever porque, mal me elogiaram os dentes (e, disso, não tenho dúvidas), a estupefacção foi tanta que, por mais que quisesse absorver o que foi dito depois, as palavras seguintes não entraram tão nítidas, por mim adentro, como as primeiras que ouvi.


Elogiaram-me os dentes e, para além de a surpresa me levar a abrir mais um pouco os olhos, também me entreabriu os lábios num sorriso tímido. Porque, por mais que nos saiba sempre bem receber elogios [por mais encavacados e sem jeito que fiquemos], melhor sabem aqueles que são ditos - e passam a existir - fora da caixa. Aqueles que não encaixam no manual do elogio que inconsciente e erradamente nos é imposto. 

Aqueles elogios que, dificilmente, iremos esquecer. Sendo que, no que à lembrança diz respeito, não só às palavras ditas me refiro, como ao(s) autor(es) das mesmas também.





* se assim não foi, que me corrija, por favor, quem de direito.



[treze de Novembro de dois mil e tal]

quarta-feira, 28 de abril de 2021