sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Sou uma mãe desnaturada #7


Há momentos (demasiados) em que nem o melhor sorriso da Bolachita me ajuda a relativizar as agruras da vida. Há dias (tantos) em que nem a maior gargalhada dela me leva a esquecer - como que por magia - o quão extenuantemente complicada e, ao mesmo tempo, tão estupidamente vazia anda a minha vida.

8 comentários:

  1. Isso é porque sentes saudades da tua mãe...Também és filha!!!E uma filha é muito mas não supera a ausência de uma mãe!!!

    ResponderEliminar
  2. Os filhos não fazem milagres... Apesar de ajudarem um bocadinho grande. :) Eu acho.
    Procura preencher o vazio, não só com sorrisos da Bolachita, mas também com muitas outras coisas. A p*** da vida não é fácil, mas nós temos que ser mais fortes que ela.

    Um sorriso :) não tão doce quanto o da Bolachita
    E arrebita, que não gosto nada de ler isto por aqui. :

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto de se ser forte (que o sou), por vezes, é demasiado cansativo...

      Arrebito, pois!
      Obrigada pelas palavras, Dé :)

      Eliminar
  3. Por vezes a vida é tão filha da mãe, que nos deixa desarmados e sem forças para enfrentar tantas adversidades.
    Ainda há pouco, à saída do bloco operatório, uma médica amiga me dizia:
    Não culpe a vida pelo que vos está a acontecer...
    Então culpo quem, doutora? Porque nós temos que culpar alguém, ou alguma coisa. Não resolve nada, mas descarregamos um pouco as emoções...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou muito dada a ‘atirar culpas’. Não é do meu feitio, nem leva a lado algum. Mas uma coisa é certa, há situações da vida tremendamente injustas. Esta é que é a porra da realidade. E nem sempre é fácil lidar com elas.
      Espero que aquilo que te está a acontecer se resolva da melhor maneira.

      Bem-vindo, JS!

      Eliminar