sexta-feira, 3 de outubro de 2014

É por estas e por outras (fim)... #13 (especial*)


Um de Outubro de dois mil e treze. Chegou o dia. As tão badaladas contracções. A ida, nas calmas, para a maternidade. A atribuição do quarto. E a maldita chegada da Sra. Dra. Anestesista. [Foi um momento inesquecível, aquele em que a Sra. Dra. Anestesista entrou no meu quarto. Mas fica para outro post.]
Lá me mede a tensão. Baixa. Muito baixa. E eu toda satisfeita. Pois claro. Mas a Sra. Dra. Anestesista, essa, não achou piada nenhuma. Tensão baixa e epidural não combinam lá muito bem, diz-me ela. Parece que não me poderia administrar a epidural na frequência e doses habituais. Que era muito provável demorar muito mais tempo a fazer efeito. Basicamente, que ia ter de aguentar com as dores por mais um tempo indeterminado e sem piar. E, de repente, lá se foi a bela da teoria do Sr. Dr. Obstetra de que a tensão baixa é do melhor que há para o parto.
 
A Sra. Dra. Anestesista tenta espetar-me o chip (sim, para mim, aquilo para a epidural é um chip com várias bocas ou o raio. não me digam que é uma agulha. aquilo são várias e grossas). Não consegue. Tenta outra vez. Não consegue. Tenta mais uma. Não consegue. Eu já não queria epidural nenhuma. O que eu queria era que o raio da mulher deixasse a minha espinha em paz, isso sim. Pior. Em vez de fazer o seu serviço caladita, a Sr. Dr. Anestesista lá ia desabafando:
- eu cá prefiro as gordas, de longe, seguido de um bufar de saturação tremendo, como se a culpa fosse minha. Deve ter confessado esta sua preferência umas três ou quatro vezes. Para o caso de eu não ter chegado lá à primeira, aposto.
Não satisfeita com os seus desabafos estúpidos, lá ia perguntando:
- mas a menina não come?
Não contei, mas deve-me ter perguntado esta treta, no mínimo dos mínimos, uma dúzia de vezes.
A primeira vez, lá lhe lancei um desesperado claro que como!, entre uma inspiração profunda e uma expiração profunda também. Mas, depois, já não tive mais pachorra. Deixava-a perguntar para as paredes, ou para as enfermeiras que lá estavam e que me disseram, quando a Sra. Dra. Anestesista acabou por sair, Não ligue à Doutora. 
Milagre dos milagres, lá conseguiu colocar a porcaria da epidural à quarta ou quinta vez. Já nem sei. Para mim, pareceu uma eternidade de tentativas, essa é que é essa.
 
Naquela altura, se tivesse o Sr. Dr. Obstetra à minha frente, arrancava-lhe os dois olhos. Tão certinho como eu me chamar Mam'Zelle.
 

4 comentários:

  1. XD Há pessoas com um parafuso a menos, definitivamente. Uma pessoa já sabe Deus como e ainda levar com umas destas, realmente!
    Mas valeu a pena ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas o pior é que foi só mesmo a cena da anestesista que correu menos bem. O resto até que foi fixe.
      Um parafuso? Só? Estás a ser muito simpática, Anouska. Aquilo ali faltava-lhe mais umas quantas ferramentas...

      Eliminar