terça-feira, 23 de outubro de 2012

...


Cinco anos e sete meses depois, mais dia menos dia, voltou a fazê-lo. A janela é outra. Passei do quinto andar, de um prédio com sete, para o segundo andar, de um prédio que só esses dois tem. A rua é mais tranquila, o ar menos poluído. Voltou a fazer exactamente o mesmo. Ligou-me, pouco antes da hora de jantar. Há cinco anos, atendi logo. Ontem, rejeitei duas vezes a chamada, antes de me decidir a atender. Continua a ser o mesmo teimoso, com aquela capacidade excessiva de insistir. Voltou a pedir-me para ir à janela. Há cinco anos, fui até à da cozinha, curiosa. Ontem, fui à do "quarto do fundo", receosa. Perguntou-me, como há cinco anos atrás, se o estava a ouvir bem. Não foi preciso falar tão alto, desta vez. Começou aquilo que percebi ser a sua serenata. Tal e qual como da outra vez. A música escolhida foi outra. O empenho e aquela vontade de fazer bem feito, directamente proporcional à falta de jeito, isso estava lá tudo, como há cinco anos atrás.
Ri-me muito, há cinco anos atrás. Conhecia-o há menos de dois meses. No final, fez-me aquela pergunta, tentando pôr um ar sério naquele seu rosto que é todo ele sorriso e boa disposição, com cinco andares a separar-nos. Já o tinha feito, olhos nos olhos, alguns dias antes, durante um passeio no Basófias. Não lhe dei a resposta que pretendia, nem no barco, nem à janela. Mesmo assim, o seu olhar continuou a ser de esperança, aquela esperança boba de quem ama, e nunca deixou de o ser.
Ontem, não perguntou nada, mas o olhar, esse, era o mesmo. Igual àquele de há cinco anos e sete meses atrás. E é difícil perceber que ele ainda não entendeu. É difícil de aceitar. É difícil ficar com a certeza de que isto ainda não está definitivamente resolvido. É difícil sentir que ele ainda espera, quando não há mais pelo que esperar. É difícil.
 

32 comentários:

  1. É dificil e muito complicado...
    Essas situações não costumam ser faceis de resolver...

    ResponderEliminar
  2. Que situação complicada...

    Espero que tudo se resolva a bem

    homem sem blogue
    homemsemblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Persistência não lhe falta.
    Deve gostar de gajas de bigode. loool

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Outra vez, microcéfalo? Nunca renovas essas tuas piadas, não? ;p

      Eliminar
    2. Tens razão... ando pior do que "Os Malucos do Riso". eheh

      Eliminar
  4. Mas não percebi uma coisa. O rapaz foi teu namorado ou vocês só andaram (ou não) 2 meses? É um bocado chato. Tendo em conta o que possam ter vivido, ou estás diante de um homem saudoso ou de um pshyco! :D

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. Não, não é psycho (graças a todos os santinho...).
      Quanto a mim, nunca fui de “só andar”, Colour.
      (Onde raio foste tu buscar essa dos dois meses?)

      Eliminar
    2. Situação complicada, espero que não tenhas de fugir como eu já tive (long story... :). Força miúda

      Eliminar
    3. Não, claro que não tenho de fugir, Aidan. Pelo menos, a situação ainda não chegou a esse ponto...
      Obrigada! :)

      (ui... cheira-me que tiveste uma história bem complicadinha...)

      Eliminar
  6. É um adepto da teoria do "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura". Mas 5 anos... se tivesse que furar, já tinha furado. :)

    P.S. O problema da visão não é do peso, é da diabetes. :|

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cinco anos foi o tempo que passou entre os dois acontecimentos de que falei, standby. Como é óbvio, há uma história pelo meio :)

      P.S. Ui... isso é muito chato... Força!

      Eliminar
  7. Por vezes o que se sente, a intensidade com que se sentiu aquilo que se viveu, é suficiente para passarem 5 anos e mantermo-nos ali. Não é nada de psycho, é algo que ultrapassa a compreensão geral de quem nunca o viveu, até ultrapassa mesmo a compreensão de quem espera sabendo que não há nada pelo que esperar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens o dom de me emocionar, sempre, S.o.l. Sabias?

      Eliminar
    2. Agora já disse :)
      E olha que não é assim tão fácil...(é que ainda mal "nos conhecemos", mas não quero que fiques a pensar que sou uma lamechas ;) )

      Eliminar
    3. :D
      Claro que não! És tão lamechas quanto eu :D

      Eliminar
  8. de desistente não o podem acusar! é preciso é muita calma ahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ter calma é um bom conselho, sem dúvida :)

      Bem-vinda, Lia!

      Eliminar
  9. Que lindo quando estiveres na casa dos sessenta e ele sessenta e oito, com um aparelho de surdez e v. com um álbum de fotografias tentando identificar o gajo lá embaixo...no térreo.;>))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hein?!??! Desculpa, acho que não percebi bem tudo... agora que me parece um pouco mórbido, lá isso parece...

      Eliminar
  10. A minha opinião: uuuuuuuuuuuuuiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.
    Custa muito (dói pra burro) dizer alguém que não se está em sintonia, ainda por cima depois duma serenata... Jesus Christ, isso não é coisa para meninas, mas sinceridade e clareza acima de tudo, certo?! Se ele não entende, ok custa, eu sei, mas não há muito mais que possas fazer. Ele não tem amigos que o ajudem a compreender duma forma que só um amigo consegue?! Boa sorte!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sinceridade e clareza, sempre foi um dos meus lemas. E, admito, nem sempre me dei bem com ele. Mas não dá para ser de outra maneira. Sou assim mesmo.
      Obrigada, miss Certezas!!! :)

      Eliminar
  11. Respostas
    1. E lá estás tu, ND... a brincar com coisas sérias... ;p

      Eliminar
  12. Ui... Mas está mesmo tudo esclarecido?!?...

    ResponderEliminar