quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Madeleines de Proust




Som - da panela de pressão a cozinhar; esta música.

Cheiro - da tarte/bolo de maçã enquanto coze no forno; do Vicks VapoRub.

Toque - das minhas mãos no feijão seco, quando o escolhíamos antes de o deixarmos de molho para o dia seguinte; da mão da minha avó a esfregar-me a barriga em círculos, quando me queixava que me doía.
Sabor - das papas de farinha de milho com couve; da sopa de casamento.
Imagem - do Zorra (era assim que a MamieZ o chamava); daquela janela da cozinha no segundo andar, onde aparecia a minha avó para me dizer adeus e me mandar beijinhos com a mão, sempre que eu saía de casa.




nota: há muitas mais, em cada categoria, como é evidente. hoje, lembrei-me destas.

12 comentários:

  1. Realmente, como já dizia Proust ;), o paladar e o olfacto convocam o passado e as memórias que temos dele... Gostei desta tua viagem ao passado.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Proust tinha toda a razão, sem dúvida. Mas acho (e sinto) que essa magia de poder regressar ao passado passa pelos outros sentidos também. Por isso mesmo os ter acrescentado nesta minha viagem pelas memórias.
      Beijinhos, Miú!

      Eliminar
  2. Eu adorava essas madalenas... nunca mais as vi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estas, por acaso, vieram de França. Mas acredito que por cá também se encontrem.

      (confesso que gosto mais daquelas maiores e mais redondinhas)

      Eliminar
    2. c'est des madeleines st michel? :)

      Eliminar
    3. Ouais. Trop bonnes mais trop petites ;)

      Eliminar
  3. ah les madeleines!

    "Elle envoya chercher un des ces gâteaux courts et dodus appelés Petites Madeleines qui semblent avoir été moulés dans la valve rainurée d’une coquille de Saint-Jacques. Et bientôt, machinalement, accablé par la morne journée et par la perspective d’un triste lendemain, je portai à mes lèvres une cuillerée du thé où j’avais laissé s’amollir un morceau de madeleine. Mais à l’instant même où la gorgée mêlée des miettes du gâteau toucha mon palais, je tresaillis, attentif, à ce qui se passait d’extraordinaire en moi. Un plaisir délicieux m’avait envahi, isolé, sans la notion de sa cause…" <3

    ResponderEliminar
  4. Madalenas.. a minha avó tinha sempre disso em casa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As avós costumam sempre ter coisas deliciosas em casa ;)

      Eliminar
  5. Isso é que foi dançares nas discotecas francesas ao som daquela batida, e depois chamas-lhe panela de pressão. É isso tudo.
    Podia escrever mais parvoíce mas fico-me por aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A admitires que só dizes parvoíces? E, como se não bastasse, a controlares o teu débito de estúpida verborreia?
      Estou estupefacta. É que nem estou em mim.

      Eliminar